#BlackoutTuesday: é hora de falar sério

0 comentários

Há alguns dias a hashtag #BlackoutTuesday tomou conta das redes sociais em resposta à brutalidade policial e ao assassinato de George Floyd. Aqui na Linus, pausamos a comunicação por dois dias, para refletir e pensar qual seria a nossa participação nos movimentos contra a discriminação racial daqui pra frente e, por isso, nesse post reunimos algumas coisas que estamos lendo, ouvindo, vendo e pensando para nos educarmos um pouco em relação ao assunto.

Say

“O movimento de me incomodar com a situação já é de anos. Minha avó era negra, Eulália, empregada doméstica, analfabeta, criou os filhos da melhor maneira que pôde e fez todos estudarem. Isso me fez ir atrás de entender a questão através dos olhares de algumas pessoas, como o da Preta Rara, mulher incrível que luta pelos direitos de mulheres - principalmente as empregadas domésticas contemporâneas - e Djamila Ribeiro, autora de obras como “Lugar de fala” e “Pequeno manual antirracista”, que, com suas obras filosóficas sobre feminismo, lugar de fala e racismo, me mostrou outros tantos autores que sempre falaram sobre isso, mas eu sempre escolhi não ver. Agora tento ler e entender qual é o meu lugar de fala sobre o racismo e o quão isso é urgente e precisa ser mudado.”

Belle

“As últimas semanas foram emocionalmente puxadas: falar sobre esse assunto é falar de violência contra gente inocente, mães chorando ao verem seus filhos morrendo e repressão vinda das próprias instituições. Mas o mais chocante de tudo é descobrir que essa não é um assunto tão distante de mim e que, como branca, eu tenho me privilegiado todos os dias desse tipo desigualdade. Não existe solução mágica: o desconforto faz parte do processo, mas sei que não dá pra ficar só inerte e presa nesse incômodo. Por isso, venho procurando me educar mais sobre o assunto e usado esse privilégio pra ceder espaço pra quem precisa ser ouvido. Li esse texto, que a editora de moda da Glamour, a Luanda Vieira (@luandavieira) - quem eu acompanho faz um tempo - escreveu e que me fez refletir bastante sobre qual é efetivamente a minha atuação como aliada branca. Também assisti a série “Pequenos incêndios por todas as partes” (você encontra ela na Amazon) que já vale a pena só pela atuação da Kerry Washington, mas que, revela camadas e intersecções tão profundas sobre assuntos como, maternidade, raça e privilégio, que deveria ser obrigatória para todo mundo.”

Isa

“Desde o início aqui na Linus, nos preocupamos em levar diversidade como pontos essenciais da nossa marca: trabalhamos com modelos negros, influenciadores negros e etc. A ideia sempre foi a de que todos os nossos clientes pudessem se identificar conosco e se sentirem representados.

Como empreendedora, sempre enxerguei que, dado que eu posso, eu tenho a obrigação de dar oportunidade para outras mulheres, abrindo caminho para elas crescerem, se desenvolverem e serem independentes. E é justamente no entroncamento dessas duas atitudes que surgiu a minha principal reflexão. Mais do que levarmos representatividade para as telas, precisamos focar ainda mais no que acontece por trás delas – fotógrafos, equipe, produtores e por assim vai. Nosso compromisso, daqui pra frente, é darmos mais espaço e servirmos como um trampolim para os negros, especialmente para as mulheres negras.”

Olivia

“No meio de tanto conteúdo que surgiu nas últimas semanas, eu acabei assistindo vários IGTVs e acompanhando algumas conversas no twitter. E, nesse monte de texto, eu recebi um tweet da Gabi Oliveira (@depretas) que ficou bem marcado pra mim: ‘em momentos como esse, nós damos espaço para pessoas negras compartilharem seu conhecimento e vivência com a gente, mas só se for para falar de racismo’. E isso me fez pensar que, mesmo eu tirando um tempo pra ler e me educar, aqueles minutinhos livres que eu tinha no meu dia pra ver umas maquiagens no insta, assistir vídeos no youtube ou ler algum livro eram quase sempre dedicados à criadores brancos. Então, dentre as minhas descobertas recentes, quero compartilhar uma delas por aqui: a autora Funmi Fetto – fica a dica pra quem gosta de beleza e moda.”

Deixe um comentário

Todos os comentários do blog são verificados antes da publicação
A gente usa cookies para personalizar sua experiência no nosso site! Ao permanecer navegando, você concorda com as condições da nossa política de privacidade.
Obrigada! Mas antes de ir, pegue seu código: NOCAMINHODOBEM