reciclavel-e-reciclado
outubro 26, 2021

Reciclável X Reciclado: Você sabe a diferença?

por Equipe Linus

reciclavel-e-reciclado

A palavra reciclagem já vem fazendo parte da nossa vida há algum tempo, mas será que você realmente sabe tudo sobre isso? Você saberia dizer, por exemplo, qual é a diferença de um produto reciclável e um reciclado?

Pode parecer que são a mesma coisa, mas não são, apesar de fazerem parte do mesmo ciclo: o ciclo da reciclagem.

Esse ciclo engloba muitas etapas que fazem parte dos 5 Rs da Sustentabilidade. Entre elas reduzir, reutilizar e a própria ação de reciclar.

Todos eles têm como objetivo reduzir os impactos que nossas escolhas causam ao planeta.

Um produto reciclável pode não ser um produto reciclado. E um produto reciclado pode não mais ser reciclável. Complicado, né? Nem um pouco, a gente explica.

Reciclável x reciclado: Você sabe a diferença?

As palavras reciclável e reciclado, embora sejam muito parecidas, têm sentidos diferentes embora, como já dissemos, façam parte do mesmo ciclo. Como consumidor, é muito importante que você saiba a diferença

O que é um produto reciclável?

Um produto reciclável é um produto que pode ser transformado em outro produto. Mas é importante ressaltar que, independente da sua composição, ele só será realmente reciclado se for encaminhado para processos de reciclagem.

Por exemplo, um produto reciclável, que vem com aquele selo de reciclagem famoso das três setas em formato de triângulo, significa que o material utilizado na composição daquele produto, pode ser reciclado e não que ele com certeza vai ser.

Uma garrafa plástica no oceano, indifere se é de material reciclável ou não, como não foi endereçada corretamente para um processo eficaz de reciclagem, está impactando o nosso ecossistema da mesma maneira que um produto não reciclável estaria.

O que é um produto reciclado?

Um produto reciclado é um produto que usou materiais reciclados em sua composição. Ou seja, é um produto que é resultado de um processo de reciclagem. Os materiais usados para sua fabricação já tiveram um ciclo de vida anterior e agora estão ganhando uma nova utilização.

Esses, sim, são produtos que já completaram um ciclo e que já contribuíram com o desenvolvimento sustentável do nosso planeta.

Mas e material reciclado, o que é?

O material reciclado deve ser dividido em dois tipos: pós-consumo (PCR) e pós-industrial (PIR), algumas vezes chamado de pré-consumo.

Simplificando, o PCR é um material reciclado que atendeu ao uso pretendido e está pronto para ser refeito. Por exemplo, as garrafas e potes que você joga fora na lixeira de resíduos recicláveis serão processados e transformados em PCR.

Já PIR diz respeito ao material que nunca atingiu seu uso pretendido. São sucatas, peças fora das especificações ou sobras de material de uma fábrica que não chegaram ao produto final. O uso de PIR é uma prática comum na indústria. É uma ótima maneira de garantir que os resíduos industriais não sejam desperdiçados.

Vamos falar de reciclagem!

Agora que você já entendeu todos os termos, podemos falar sem medo: reciclagem é o processo de usar materiais reciclados, vindos de produtos ou sobras recicláveis, como matéria-prima para produzir novos produtos.

Nas atividades que fazem parte da reciclagem, podemos incluir a coleta, o processamento, a contagem ou pesagem, o processamento, a compra e a venda e o posterior consumo em outro processo de produção.

Existe um grande mercado ligado à reciclagem, que gera empregos e renda para uma parte importante da população no Brasil.

O que pode ser reciclado e o que não pode?

Por mais que a gente saiba o que a reciclagem significa e os diferentes termos que envolvem o processo, ainda assim podemos ficar em dúvida sobre quais produtos são ou não recicláveis. Leia abaixo um pouco mais sobre isso.

reciclavel-e-reciclado

Sim, plástico é reciclável

Podemos dizer que a maioria dos plásticos são recicláveis, mas não todos. Os consumidores mais atentos com certeza já notaram que alguns produtos, embora sejam feitos de plástico, não tem o símbolo de reciclado e devem se questionar por quê. Vamos explicar.

Plásticos termorrígidos, muito utilizados na indústria eletrônica, não são recicláveis

Também conhecidos como Polímeros Termofixos, são muito utilizados na produção de computadores, eletrodomésticos e telefones celulares exatamente pelo o que sugere o nome: são muito rígidos. E, exatamente por isso, não são recicláveis, pois não podem ser reprocessados com o emprego de temperatura. Quando submetidos a altas temperaturas, eles perdem as suas características, devido ao rompimento das suas estruturas.

Plástico celofane não é reciclável

Mais conhecido como papel celofane, ele não é reciclável. Diferente dos plásticos recicláveis que são feitos a partir do petróleo, o celofane é feito a partir da celulose extraída de plantas e árvores. Isso quer dizer que, embora ele não seja reciclável, ele é biodegradável. Ou seja, você deve colocá-lo na lixeira de lixos orgânicos.

Isopor e EVA não são recicláveis

Embora existam alguns estudos e alguns processos que já estão sendo testados em alguns lugares do mundo para a reciclagem deste produto, por enquanto, no Brasil, são considerados não recicláveis e devem ir para o lixo comum, assim como as esponjas de lavar louça.

Embalagens metalizadas, tipo de salgadinho, não são recicláveis

Essas embalagens são feitas com plástico chamado BOPP, que é reciclável, porém o processo de reciclagem é tão complexo e caro, que dificilmente é feito na maioria dos lugares.

Fraldas descartáveis e absorventes não são recicláveis

Infelizmente ainda no Brasil não existe reciclagem desses produtos. Já na Inglaterra, as fraldas infantis, geriátricas e absorventes, são esterilizados, recuperados e usados na fabricação de materiais de construção.

Cabo de panela, adesivos e tomadas não são recicláveis

Também não existe processo de reciclagem para esses itens no Brasil.

E vidro, é reciclável?

Na grande maioria dos casos, sim. Os vidros que são usados na cozinha e nos alimentos, como recipientes de condimentos, armazenamento de alimentos, potes, jarras e copos são 100% recicláveis.

No entanto, nem todos os vidros são recicláveis, e alguns produtos que achamos que é vidro, além de não serem, também não são recicláveis. Veja alguns exemplos:

Cerâmica não é vidro e não reciclável

Os itens de cerâmica parecem semelhantes ao vidro, mas na verdade são feitos de argila. A razão pela qual o vidro pode ser reciclado é que o vidro pode ser derretido e moldado em algo novo, mas a argila não derrete. Existem alguns processos em que se pode triturar a cerâmica e adicionar água para remodelá-la, mas isso não acontece nas usinas de reciclagem, é um trabalho mais voltado para artesãos.

Espelhos, vidros de automóveis, vidros de janelas, box de banheiro, lâmpadas, vidro temperado e cristal não são recicláveis

Isso pode ocorrer por três fatores diferentes: ou porque ainda não se desenvolveu tecnologias para esse tipo de reciclagem, ou porque exige uma reciclagem específica que deveria ser feita individualmente, desde a coleta ao tipo de processamento, ou porque o processo é muito longo e custoso, fazendo com que não seja um bom negócio.

Você sabe a diferença de resíduo e rejeito?

Antes de começar a reciclar, você precisa saber a diferença importante que existe entre essas duas palavras. Veja as definições segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos:

Resíduo

“Todo e qualquer material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.”

Rejeito

“São os resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada.”

Isso quer dizer que é tudo aquilo que não pode ser reciclado, reaproveitado ou reutilizado e terá que ser tratado da maneira mais adequada para acelerar sua decomposição.

Mas afinal, como separar o lixo reciclável?

Pode começar sabendo que caixas de pizza, embalagens de entrega de comida e qualquer coisa suja com comida são lixo comum e não são recicláveis. Ou seja, devem ser descartadas com o lixo orgânico.

Com isso em mente, você pode começar aprendendo como separar todos os resíduos.

reciclavel-e-reciclado

A maneira mais fácil de separar o seu lixo reciclável é tornando isso uma rotina, feita na hora do descarte. Isso quer dizer que guardar para separar depois não é uma boa ideia.

Veja como são separados os lixos recicláveis onde você mora e comece separando dentro da sua casa da mesma maneira. Isso evitará que você crie muita desordem e que não seja muito trabalhoso, podendo facilmente encaixar em seu estilo de vida.

Qual a diferença das cores da coleta seletiva?

Talvez na sua cidade não tenha cores específicas para divisão das lixeiras. Nesses casos existem duas possibilidades: ou não existe nenhum tipo de reaproveitamento ou reciclagem de materiais e tudo é tratado da mesma maneira, ou a separação do lixo é feita pós-coleta.

Porém, há muitos lugares em que já existe algum tipo de coleta seletiva, e os resíduos devem ser separados corretamente para que sejam coletados separadamente. Fica a cargo de cada município a viabilização das políticas de coleta seletiva.

Segundo a resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, existem no Brasil dez cores diferentes de lixeiras:

  • Marrom - lixo orgânico: são os resíduos originados de um organismo vivo e que pode ser atacado por organismos decompositores. Ou seja, restos de alimentos de origem animal ou vegetal fazem parte desse grupo.
  • Azul - papel e papelão: jornais, revistas, impressos em geral, caixas de papelão e embalagens longa-vida, etc.
  • Vermelho - plástico: garrafas, embalagens de produtos de limpeza, potes de cosméticos, tubos, canos, brinquedos, sacos, sacolas, papéis plastificados, etc.
  • Verde - vidro: frascos, garrafas de todos os tipos, vidros de alimentos, etc.
  • Amarelo - metal: latas de bebida, latas de alimentos, esquadrias, molduras de quadros, etc.
  • Laranja - resíduos perigosos: como pilhas, baterias, etc.
  • Preto - madeira.
  • Branco - resíduos de hospitalares.
  • Roxo - lixo radioativo.
  • Cinza - lixo não reciclável, contaminado ou cuja separação não é possível.

Onde descartar o lixo reciclável e comum em São Paulo?

Segundo o site da prefeitura de São Paulo, a coleta domiciliar seletiva é viabilizada por duas empresas contratadas que são responsáveis pelos 96 distritos do município, abrangendo 76% das vias públicas.

As empresas são responsáveis pela coleta dos lixos recicláveis e pela distribuição dos resíduos nas 25 cooperativas de reciclagem registradas no Programa Socioambiental de Coleta Seletiva da Prefeitura.

Como saber os dias e horários de coleta seletiva em São Paulo?

A Loga é a empresa responsável pela Coleta Seletiva das regiões: Butantã, Casa Verde, Freguesia / Brasilândia, Jaçanã/Tremembé, Lapa, Vila Maria/Vila Guilherme, Mooca, Penha, Pinheiros, Pirituba/Jaraguá, Perus, Sé e Santana/Tucuruvi. Para saber o dia e a hora da coleta nas ruas dessas regiões, clique aqui.

A Ecourbis é a empresa responsável pela Coleta Seletiva das regiões: Cidade Ademar, Aricanduva/Formosa/Carrão, Campo Limpo, Capela do Socorro, Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo, Guaianases, Ipiranga, Itaquera, Itaim Paulista, Jabaquara, M'Boi Mirim, São Miguel Paulista, Parelheiros, Santo Amaro, Sapopemba, São Mateus, Parelheiros e Vila Prudente. Para saber o dia e a hora da coleta nas ruas dessas regiões, clique aqui.

Ecopontos na cidade de São Paulo

No site da Prefeitura, é possível também encontrar o endereço de todos os ecopontos distribuídos no município. Para acessar a lista, clique aqui.

Encontre os ecopontos em todo o Brasil

Os Ecopontos são lugares disponibilizados pelas prefeituras onde podem ser descartados de maneira voluntária os resíduos recicláveis.

Em municípios pequenos, é mais fácil saber se existem e onde estão. Em cidades maiores, nem sempre a distribuição dos ecopontos abrange todas as regiões.

Sabendo disso, a Recicloteca, um Centro de Informações sobre Reciclagem e Meio Ambiente criado pela ONG Ecomarapendi, criou um sistema de busca em seu website com os pontos de coleta seletiva para reciclagem de todo o Brasil.

Para descobrir os pontos de reciclagem perto de você, clique aqui.

Não tem um ecoponto perto de você? Saiba o que fazer.

Se não existem ecopontos próximos de você, não fique surpreso. Infelizmente, você não está sozinho.

Segundo o Panorama de Resíduos Sólidos de 2020, elaborado pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), no Brasil produzimos cerca de 79 milhões de toneladas de lixo por ano e apenas 3% é encaminhado para reciclagem.

Mas vale lembrar que, mesmo que não existam ecopontos, os catadores são responsáveis por 90% de tudo que é reciclado no Brasil, e com certeza devem ter catadores perto de você que podem ajudar a dar o destino correto para seus resíduos reciclados.

Não conhece nenhum catador?

Não tem problema, tem um app brasileiro que chama Cataki, que dá visibilidade e facilita o contato com esses profissionais. A iniciativa é tão boa que já ganhou diversos prêmios nacionais e internacionais, inclusive da UNESCO.

Mas, antes de reciclar, você precisa reutilizar e reaproveitar. Descubra a diferença!

Quando falamos do ciclo de vida do que consumimos, reciclar deve ser o último processo ao qual você deve recorrer.

No artigo sobre os 5 Rs da Sustentabilidade, falamos bastante sobre isso.

A reciclagem não é o único e nem deve ser o primeiro destino dos nossos resíduos.

A reciclagem hoje, como já falamos mais acima, além de ainda não ser suficiente, também envolve gastos de energia e recursos naturais no seu processo. Por isso, antes de enviar para o lixo, reciclado ou não, reflita sobre outras maneiras de utilizar o produto.

Aliás, você deveria fazer isso não só com os seus, mas também com os que ainda vai comprar. Comprar equipamentos usados, de segunda mão e roupas em brechós pode ser uma ótima maneira de reduzir a quantidade de lixo que produzimos.

Veja algumas opções de destinos diferentes para seus resíduos.

Artesanato reciclável

Se você é do tipo que adora trabalhos manuais ou quer aprender a dar asas para sua criatividade e ainda por cima diminuir sua pegada ambiental, precisa conhecer o instagram @reciclaredecorar. Lá, a Fabiana Tardoch dá dicas simples para decorar a casa e as festas, passo a passo, customizando móveis e objetos com material reaproveitado.

Brinquedo reciclável fácil: bilboquê de garrafa pet

Material necessário:

  • Garrafa PET
  • Fita adesiva
  • Barbante
  • Papel
  • Tesoura

Como fazer:

Corte a garrafa pet ao meio e cole fita adesiva. Você vai usar a parte da garrafa que tem o gargalo. Faça uma bolinha de papel amassado bem firme e passe a fita adesiva. É importante que ela fique bem firme. Prenda uma das pontas do barbante na bolinha e outra dentro da garrafa. Decore como quiser.

A brincadeira consiste em jogar bilboquê para cima, sem soltar e tentar fazer com que a bola caia dentro do gargalo da garrafa.

Como fazer papel reciclado em casa?

Materiais Necessários:

  • Papéis usados variados
  • Água
  • Recipiente
  • Liquidificador
  • Tela ou peneira fina de fundo reto
  • Pedaço de tecido

Modo de fazer:

Recorte os papéis usados em pequenos pedaços e coloque tudo em um recipiente com água e reserve por 24 horas. No dia seguinte, bata o papel molhado em um liquidificador até que vire uma massa. Espalhe com cuidado uma camada fina da massa na peneira ou tela fina. Cubra com um pedaço de tecido e coloque um peso por cima da rede para prensar a massa e deixe assim por 24 horas. Depois, retire o peso e deixe o papel secar em ambiente seco ou ao sol.

DIY Puff de Pneu SEM Cola quente! - Decorando a Sala 02

O vídeo abaixo mostra o passo a passo de como fazer Puff de Pneu e corda, super sustentável e fácil de fazer!

Você sabia que a Linus é 100% reciclável?

Outra coisa que você pode e deve fazer é incluir nas suas compras marcas que são recicláveis.

Uma delas é a Linus, que tem sandálias feitas de um PVC ecológico expandido, e por isso são 100% recicláveis, livres de metais pesados, com plastificantes de origem totalmente vegetal e com 70% de fontes renováveis em sua composição. Possuem, também, uma palmilha anatômica que se adapta ao pé de quem a usa.

reciclavel-e-reciclado

Então, agora que você já sabe os termos e como preparar o seu dia a dia para incluir os reciclados e os recicláveis, pode ter uma atitude ainda mais responsável com o meio ambiente e o futuro do planeta.

Reciclagem sustentabilidade