Medida Provisória 901 e as mudanças do Código Florestal

0 comments

 

Em conversa com a BBC Brasil em 2019, Carlos Nobre, um dos principais cientistas brasileiros e autoridade no estudo de temas como aquecimento global e desmatamento, afirmou que se o ritmo de devastação da Floresta Amazônica continuar como está hoje, o ponto de não-retorno (quando a situação se tornar irreversível) deve chegar entre os próximos 15 ou 30 anos. A mesma matéria ainda revela um número, no mínimo, assustador: em onze meses, o país perdeu 9.762 km² de floresta, segundo dados do INEP. 


Mesmo com os dados alarmantes, está em votação no Congresso Nacional uma medida provisória, a chamada MP 901, que pode acentuar ainda mais o processo de desmatamento na floresta. Atualmente, segundo matéria da BBC, os proprietários de fazendas nos estados do Amapá e Roraima precisam manter ao menos 80% de área de floresta em suas propriedades. Caso a MP seja aprovada com o texto atual, esse percentual cairá para apenas 50%, ou seja, a possibilidade do desmatamento se torna ainda maior, além de legalizada.

E como a MP pode influenciar no Código Florestal? Atualmente, o Art. 12 do Código determina condições para que se possa reduzir áreas de preservação dentro das fazendas: o governo estadual precisa aplicar o Zoneamento Ecológico Econômico, ou ZEE, e a análise deve comprovar que mais de 65% do território seja ocupado por unidades de conservação e terras indígenas. O que o texto da MP 901 faz é alterar o trecho que exige esse estudo para torná-lo opcional: o Estado pode realizar o ZEE ou ter mais de 65% de sua área em zonas de reserva. Dessa maneira, o estudo passa a ser facultativo e abre a possibilidade para diminuir as zonas de preservação em Roraima e no Amapá.

As alterações representam, além da destruição ambiental da floresta e toda a biodiversidade de fauna e flora da região, a perturbação de um ecossistema que vive em harmonia. O processo ainda está em trâmite e você pode acompanhar mais sobre entrando no site do Congresso Nacional e por meio da cobertura do correspondente da BBC André Shalders, no próprio site da BBC ou no seu Twitter, @andreshalders.

Leave a comment

All blog comments are checked prior to publishing
A gente usa cookies para personalizar sua experiência no nosso site! Ao permanecer navegando, você concorda com as condições da nossa política de privacidade.
Obrigada! Mas antes de ir, pegue seu código: NOCAMINHODOBEM