FRETE GRÁTIS NA COMPRA DE 2 PARES OU MAIS | PRAZO DE POSTAGEM DE 5 DIAS ÚTEIS

O perigo do vazamento de óleo no litoral do Nordeste

 

O vazamento de petróleo cru por todo o litoral dos nove estados do Nordeste completa dois meses desde suas primeiras notícias. A substância, que de acordo com a Marinha Brasileira, não é nenhum derivado de óleo - e sim piche - já invade uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira. Mas de onde vem esse petróleo? Como isso afeta a vida marinha e dos seres humanos? E o que podemos fazer para ajudar?

Até agora a origem não é conhecida e o que se sabe com certeza é que o material não é de origem nacional. As conclusões já publicadas pelo Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, foram de que o material que atinge as praias possivelmente não tem todo a mesma derivação e a análise aplicada em algumas manchas confirma que a origem da substância é venezuelana.

O impacto do vazamento ainda pode ter desdobramentos para a vida marinha local e a saúde humana. Ainda não existem evidências de contaminação em peixes e crustáceos; já para os outros animais da região, como tartarugas, peixes-boi e aves, o vazamento afeta principalmente sua alimentação, já que as algas, essenciais para a cadeia alimentar desses animais, é comprometida pela substância. Por enquanto, sabe-se de 16 tartarugas que foram afetadas (apenas duas seguem vivas e em processo de descontaminação). Já para os seres-humanos, o impacto pode vir de dois jeitos: caso entrem em contato, o óleo pode causar problemas respiratórios ou dermatite, se não for bem lavado; mas a questão afeta também economicamente a região - que depende do turismo para movimentar a economia local.

Você pode ajudar acompanhando as notícias, mantendo-se informado sobre e cobrando os representantes do Governo Federal, Estadual e prefeituras para que atuem com ações efetivas, além de doar equipamentos para a limpeza para instituições como @recifesemlixo, @xoplastico, @guardioes_do_litoral, @pesemlixo e @greenpeacebrasil.

 

Todos os dados publicados foram retirados de matérias do Estadão entre 09/10 e 07/11. Você pode conferir elas aqui, aqui e aqui.