Saiba como a Floresta Amazônica impacta na bioeconomia mundial
agosto 30, 2021

Saiba como a Floresta Amazônica impacta na bioeconomia mundial

por Equipe Linus

floresta-amazonica

A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo, e 60% dela está dentro do território brasileiro. O restante se encontra dentro dos territórios da Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

Ela abrange cerca de 40% da América do Sul e é encarregada pelo volume de mais da metade das florestas tropicais do mundo. Com 334 milhões de hectares do nosso território, ela está presente nos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins.

De acordo com o IBGE, as áreas da floresta de mata fechada e densa revestem em torno de 64% da Amazônia Legal. Já as regiões formadas por cerrados, campos naturais e campinaranas envolvem outros 22%. Os últimos 14% de cobertura vegetal já não existem mais, por conta das queimadas que ocorreram até 2004. Outro dado relevante é que aproximadamente 24% da Amazônia Legal diz respeito a áreas privadas. 

Segundo a Academia Nacional de Ciências, a cada 10 km2 de Floresta Amazônica, é possível encontrar 125 espécies de mamíferos, 60 de anfíbios, 100 de répteis, 150 de borboletas e mais de 400 espécies de pássaros. São cerca de trinta mil espécies animais catalogadas e muitas ainda sem catalogar. Só no Brasil, o Ministério do Meio Ambiente tem catalogados ao menos 311 mamíferos, 1300 aves, 273 répteis, 232 anfíbios e 1800 peixes.

Quanto à sua flora, milhares de espécies vegetais diferentes vivem, convivem, cooperam e dividem o mesmo lugar. Na Floresta Amazônica, habitam cerca de 80 mil espécies de plantas, sendo que mais da metade são essenciais na regulação da temperatura do nosso planeta.

A maior parte da fauna amazônica é formada por plantas específicas para o seu ambiente, como bromélias, palmeiras, epífitas, trepadeiras, samambaias, lírios, orquídeas e muitas árvores diferentes, incluindo as frutíferas.

O Rio Amazonas é o maior rio do mundo, não só em dimensão mas também em volume de água. A bacia amazônica é a maior rede de rios existente no nosso planeta e concentra o maior volume de água doce do mundo, sendo que 80% está dentro do território brasileiro.

A Floresta Amazônica, principalmente a área que está dentro do território nacional, não é apenas mais uma área de diversidade que deve ser protegida. Podemos considerar a sua riqueza cultural e seu bioma como um oceano de diversidades dentro do nosso planeta. Por isso, ela deve ser tratada com um olhar atento e esperançoso das inúmeras potencialidades que já foram descobertas, além das que ainda podem ser.

Algumas pesquisas indicam que existem centenas de remédios à base de plantas amazônicas usadas na medicina tradicional. Segundo um estudo sobre plantas medicinais da Amazônia, a malária, por exemplo, que é uma doença comum dessas regiões, pode ser tratada com mais de 40 diferentes espécies de plantas presentes na floresta.

Além de todo esse potencial, a Floresta Amazônica também é vital para a manutenção do ecossistema do nosso planeta.

Como a Floresta Amazônica influencia o ecossistema mundial?

floresta-amazonica

Se 80% do seu território está dentro do Brasil, por que o resto do mundo se preocupa tanto com ela? Diferente do que muitos pensam, a importância da Amazônia ultrapassa fronteiras e é muito mais do que apenas um repositório ecológico a serviço das tribos e das comunidades locais.

As florestas são capazes de capturar e armazenar efetivamente o CO2, o principal gás que contribui para o aquecimento global. E sabe por que isso é importante? Porque, nos últimos 150 anos, os seres humanos têm produzido grandes quantidades de gases de efeito estufa através da queima de combustíveis fósseis, como carvão, petróleo e gás natural. E esse é o principal motivo para estarmos hoje vivendo uma emergência climática. 

Em condições naturais, as plantas capturam o CO2 da atmosfera e absorvem através de um processo conhecido como fotossíntese, com o objetivo de produzir energia para a sua manutenção e crescimento. Através desse processo, elas então capturam e armazenam o CO2 e devolvem e liberam oxigênio de volta para o ar. 

A Amazônia já está em estado de clímax ecológico, ou seja, todo o oxigênio produzido por fotossíntese é utilizado pelos próprios organismos que vivem no ecossistema. Isso significa que a Floresta Amazônica não é exatamente o pulmão do mundo, mas ainda é um órgão vital. As florestas tropicais são essenciais para o fornecimento de água, regulação do clima e manutenção da vida. Sem elas, o efeito estufa seria ainda mais nocivo e talvez o nosso planeta não teria conseguido conviver com as mudanças de temperatura até hoje. 

Os perigos do desmatamento

floresta-amazonica

Ao mesmo tempo que a floresta em pé é essencial para a manutenção da nossa temperatura, o processo de desmatamento é extremamente prejudicial. 

O que as plantas retiram de CO2 do ar, quando derrubadas, elas devolvem. Ou seja, quando queimamos a floresta, estamos devolvendo para atmosfera o CO2 capturado - e mais um pouco, já que o processo de queimada por si só emite muito carbono. Se hoje nossas florestas não estão dando conta de capturar todos os gases de efeito estufa emitidos, imagina como seria se elas devolvessem tudo o que tem hoje armazenado?

Indo além, quando as florestas são queimadas e substituídas por pastagens, como ocorre na maioria das vezes, o gado que ocupa esse espaço também contribui através de seu processo metabólico para a emissão de mais gases de efeito estufa.

Ao final do processo, a transformação de florestas em pastagens afeta a emissão de gases, a absorção de água (que, sem as plantas, serão escoadas diretamente aos oceanos) e, consequentemente, acelera a crise climática.

Produtos da Amazônia como solução para a proteção e o papel da bioeconomia

Proteger a Floresta Amazônica das queimadas e desmatamentos é uma questão crucial. Porém, mantê-la de pé, respeitar a cultura material e espiritual das comunidades que ali se desenvolveram é apenas o começo de um desafio muito maior, que é, através da bioeconomia, explorar de maneira regenerativa e sustentável todo o seu potencial econômico.

A bioeconomia se trata de uma produção baseada no conhecimento e uso de recursos naturais/biológicos, juntamente com processos biológicos e legais, que permitem produzir e fornecer bens e serviços econômicos de forma ambientalmente correta. Muitos países e cientistas do mundo todo apontam a bioeconomia como a solução para colocar um freio no aquecimento global.

Muitos veem a Floresta Amazônica como um ambiente em que não se tem retorno econômico. Porém, ao contrário do que essas pessoas acreditam, a Floresta em pé é um ótimo caminho para diminuir os enormes abismos sociais existentes na região. Fazer uso da sua biodiversidade através de ações de inovação associadas à bioeconomia pode ser a chave para o desenvolvimento regional e sustentável dos estados amazônicos.

Segundo Ricardo Abramovay, sociólogo brasileiro, cientista político e autor do livro “Amazônia: Por uma Economia do Conhecimento da Natureza”, a exploração econômica sustentável da Amazônia deve ser organizada através de cinco ideias centrais.

As três primeiras são: o crescimento econômico da Amazônia não supõe desmatamento; reduzir o desmatamento diminui muito pouco a geração de riqueza amazônica; e as áreas protegidas na Amazônia são um elemento fundamental para manter os serviços ecossistêmicos dos quais toda a sociedade depende.

O quarto ponto apresentado no seu livro discute como as áreas protegidas estão sendo duramente atacadas, sobretudo nos últimos anos, em função de uma ação governamental que, segundo o pesquisador, “desencadeou um processo muito destrutivo na floresta”.

8 razões que resumem porque a Bioeconomia é importante

  1. É uma abordagem aberta e inovadora que envolve a colaboração de diferentes stakeholders, fomentando o diálogo e a cooperação mundial;
  2. A bioeconomia pode ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE);
  3. Diminuir a dependência de recursos fósseis, ajudando a reestruturar a produção de energia e alimentos, é outra vantagem da bioeconomia;
  4. A bioeconomia está ligada a uma gestão mais inteligente dos recursos naturais;
  5. Promove pesquisas entre disciplinas e fronteiras;
  6. Tem potencial para criar empregos em ambientes urbanos e rurais.
  7. Pode tornar Florestas Tropicais ambientes economicamente vantajosos, sem contribuir para a sua destruição;
  8. Entende que o saber dos povos originários é essencial para o desenvolvimento de estratégias eficientes de exploração sem destruição.

floresta-amazonica

Agora, você sabe quão rica e importante a Floresta Amazônica é para a gente e para a manutenção do nosso planeta. Vamos juntos fazer o possível para preservá-la? 

amazônia floresta